Terça-feira, 28 de Maio de 2024

POLÍTICA NACIONAL Quinta-feira, 10 de Novembro de 2022, 13:04 - A | A

Quinta-feira, 10 de Novembro de 2022, 13h:04 - A | A

Relator do Orçamento explica como deve ficar a PEC da Transição

Câmara dos Deputados

Roque de Sá/Agência Senado
Senador Marcelo Castro é o relator do orçamento que está em análise no Congresso

Antes de entrar na reunião de líderes partidários com o presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva, o relator do Orçamento de 2023, senador Marcelo Castro (MDB-PI), disse que a ideia mais provável para solucionar os problemas orçamentários do ano que vem vai ser apresentar uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que retire os gastos com o Auxílio Brasil do teto de gastos. A reunião acontece no Centro Cultural Banco do Brasil, sede do governo de transição.

Castro explicou que o Orçamento atual já tem R$ 105 bilhões para pagar um auxílio de R$ 400. E são necessários mais R$ 70 bilhões para aumentar para R$ 600 e pagar R$ 150 para cada filho menor de 6 anos.

Retirando esses R$ 175 bilhões do teto, o Orçamento de 2023 ficaria com um espaço de R$ 105 bilhões para acomodar outras despesas como o reajuste real do salário mínimo, o aumento da merenda escolar, o programa farmácia popular e obras inacabadas.

Texto em construção
O líder do PT, deputado [[Reginaldo Lopes]], afirmou que a PEC ainda está em construção. Segundo ele, é preciso arrumar um espaço orçamentário para cumprir as promessas de campanha do governo eleito em outubro.

“Não pode deixar o povo passando fome, ele tem direito a trabalho e renda. E, por um princípio de excepcionalidade no teto de gastos de transferência de renda, você abre espaço para fazer investimentos em outras políticas”, explicou o parlamentar.

Lopes afirmou que o texto deverá começar a tramitar pelo Senado, já que a tramitação de PECs é mais célere naquela Casa. O líder do PT disse ainda que assim que for aprovada pelos senadores, o texto pode ser apensado a outra proposta cuja tramitação na Câmara esteja num estágio mais avançado sem precisar passar pela CCJ ou cumprir os prazos da comissão especial.

O projeto do Orçamento de 2023 (PLN 32/22) está em análise na Comissão Mista de Orçamento e deve ser aprovado pelo Plenário do Congresso até o dia 16 de dezembro.

Reportagem - Sílvia Mugnatto
Edição - Natalia Doederlein

Fonte: Câmara dos Deputados Federais