Sábado, 25 de Maio de 2024

POLÍTICA Terça-feira, 23 de Janeiro de 2024, 08:47 - A | A

Terça-feira, 23 de Janeiro de 2024, 08h:47 - A | A

PROCURADORIA DA MULHER

Assembleia cobra investigação contra suplente de deputado denunciado por violência doméstica

Da Redação do O Bom da Notícia

A Procuradoria Especial da Mulher da Assembleia Legislativa pediu ao Ministério Público Estadual que adote medidas e investigue a denúncia de violência doméstica envolvendo o ex-prefeito de Matupá (a 696 km de Cuiabá) e suplente de deputado, Valter Miotto (MDB).

Miotto enfrenta a denúncia de violência doméstica, psicológica e patrimonial formalizada pela ex-primeira-dama, Edilaine Claro da Silva, que o acusa de impedi-la de entrar na Prefeitura e alega ter sido expulsa de sua casa enquanto ainda estava em luto pela morte do pai.

No documento, os deputados Janaina Riva, Carlos Avallone e Valdir Barranco ressaltaram o papel social da Procuradoria da Mulher e a sua atuação “com o objetivo de evitar ações violentas”.

Diante destas considerações, a Procuradoria Especial da Mulher da Assembleia Legislativa de Mato Grosso solicita ao Ministério Público do Estado de Mato Grosso que acompanhe o respectivo caso denunciado pela senhora Edilaine Claro, no município de Matupá, e adote as medidas cabíveis ao caso visando a correta apuração dos fatos e a proteção da vítima em questão, observando o devido processo legal”, diz o documento.

A Procuradoria da Mulher da Assembleia Legislativa também divulgou uma moção de repúdio contra o suplente de deputado e se coloca à disposição para acompanhar de perto o caso, mesmo que o Valter Miotto não esteja no exercício do cargo.

A Procuradoria da Mulher da Assembleia Legislativa de Mato Grosso coloca-se à disposição para colaborar, dentro do possível, com o encaminhamento e resolução até o final deste lamentável acontecimento [...] e registra seu apoio e solidariedade à ex-companheira, deixando consignado nesta nota de repúdio que jamais deixará de se pronunciar diante de tais atos e não poupará esforços para combater quaisquer ações de violência e crimes contra a mulher”, finaliza.