Sexta-feira, 12 de Julho de 2024

POLÍTICA Terça-feira, 03 de Outubro de 2023, 17:46 - A | A

Terça-feira, 03 de Outubro de 2023, 17h:46 - A | A

DIZ MAYSA LEÃO

'Descartes de medicamentos no CDMIC foram comprados por Emanuel, não pela Intervenção'

Marisa Batalha/ O Bom da Notícia

Nesta terça-feira(03), à jornalistas, a vereadora republicana Maysa Leão foi taxativa, ao apontar que a denúncia feita pelos vereadores Sargento Vidal (MDB) e Luís Cláudio (PP) - respectivamente presidente e relator da CPI dos Indenizatórios -, sobre descarte ilegal de medicamentos pelo Centro de Distribuição de Medicamentos e Insumos, não seriam produtos comprados pelo Gabinete de Intervenção estadual na Saúde da capital, mas produtos adquiridos, ainda em 2021, pela administração do prefeito Emanuel Pinheiro(MDB).

A declaração da vereadora foi feita após fiscalização realizada com outros parlamentares municipais no CDMIC. Eles foram verificar 'in loco' a denúncia dos dois vereadores da base de Emanuel Pinheiro, na Câmara de Cuiabá.

"É importante esclarecer que descarte de medicamento faz parte da atribuição do CDMIC e conta com a presença de órgãos de controle. Então fomos averiguar a denúncia feita por dois vereadores, sob o argumento que seria, entretanto, um descarte ilegal. E, supostamente, comprados pelos interventores na Saúde de Cuiabá. Assim, foi passado como se fosse um descarte oculto, escondido, que estava acontecendo para que ninguém soubesse. Fomos lá e vimos que os medicamentos descobertos pelos vereadores, inclusive, em quarentena, assim, todos separados para que a gente pudesse apurar, foram comprados pela administração de Emanuel Pinheiro".

Maysa igualmente ressaltou que muitos, de fato, venceram agora em 2023 por conta da compra excessiva da administração de Emanuel.

"Foi apresentado para nós toda a relação, inclusive, apresentado um inventário dos medicamentos que estão no CDMIC e pudemos nos certificar que ainda eram aqueles que já havíamos fiscalizado lá atrás, ainda quando Diego Guimarães estava como vereador. Quando descobrimos um volume excessivo de medicamentos em 2021, sem nenhum controle dentro do Centro de Distribuição. O inventário foi feito pela Intervenção a pedido do Tribunal de Contas e do Ministério Público estadual".

De acordo ainda com a parlamentar, o inventário feito pelos interventores terminou na semana passada e o descarte foi agendado para este último sábado(30).

"O inventário terminou na semana passada e o descarte seria realizado neste sábado para não atrapalhar a distribuição de outros medicamentos para as unidades de saúde. Ou seja, para não tumultuar, evitando parar tudo. Assim, para evitar estes equívocos pedimos a Gabinete da Intervenção um cronoograma destes descartes para que toda a sociedade possa saber quando serão realizados e, sobretudo, que a imprensa possa acompanhar. Mas é preciso deixar bem claro que aqueles medicamentos que apareceram nos vídeos dos vereadores e em matérias veiculadas em vários veículos de comunicação foram todos comprados pela gestão do prefeito Emanuel Pinheiro".

Além da fiscalzação 'in loco', a vereadora ainda afirmou em plenário que sempre estará ao lado de quem precisa de medicamentos, da dignidade humana e irá continuar com a sua fiscalização. "Defendo a população que luta por medicação".

(Foto: Ilustração/Assessoria)

SARGENTO VIDAL - PRESIDENTE DA CPI DOS INDENIZATÓRIOS.jpeg

 Vereador Sargento Vidal, presidente da CPI dos Indenizatórios no CDMIC, após receber denúncia

Entenda

Sargento Vidal e Luís Cláudio, presidente e relator da CPI dos Indenizatórios instalada, recentemente, na Câmara de Vereadores para investigar supostos pagamentos realizados pelo Gabinete de Intervenção sem cobertura contratual, receberam denúncia no último sábado, 30 de setembro, que centenas de medicamentos com data de validade vencida, supostamente adquiridos durante a intervenção, estariam sendo retirados do CDMIC.

No local, os parlamentares encontraram um caminhão carregado com medicamentos e insumos. Um pouco depois o co-interventor do Estado, Hugo Lima, teria chegado no local e teria se exaltados com os parlamentares. Contudo, os medicamentos permaneceram no local após chegada dos parlamentares para conferência e investigação.

Hoje, na inspeção feita por vários vereadores da capital no CDMIC foi descoberto que o descarte de medicamentos e insumos são oriundos de 2021. Ou seja, comprados pela administração de Pinheiro e não pelos interventores

Só para lembrar a CPI visa investigar possíveis irregularidades nas contratações de medicamentos, causando um prejuízo aproximado de R$540 mil aos cofres públicos. Além de Vidal e Luís Claudio, o vereador Ricardo Saad também é membro da Comissão. Eles têm um prazo de 120 dias para investigar o assunto.