Terça-feira, 16 de Julho de 2024

POLÍTICA Segunda-feira, 04 de Dezembro de 2023, 11:07 - A | A

Segunda-feira, 04 de Dezembro de 2023, 11h:07 - A | A

MANDATO RESGATADO

Edna Sampaio comemora em post nas redes sua volta à Câmara de Vereadores de Cuiabá

Marisa Batalha/ O Bom da Notícia

(Foto: Ilustração/Web)

EDNA SAMPAIO DE VOLTA.png

 

Volta nesta terça-feira, 05 de dezembro, à Câmara de Cuiabá, a vereadora petista Edna Sampaio, após conseguir reverter a perda do seu mandato na Justiça.

Ela retoma sua cadeira na Casa de Leis, após decisão assinada pelo juiz Agamenon Alcântara Moreno Junior, da Terceira Vara Especializada da Fazenda Pública de Cuiabá, publicada no dia 22 de novembro, sob o argumento da caducidade do processo administrativo disciplinar que a parlamentar respondia na Comissão de Ética e Decoro parlamentar.

A vereadora foi cassada por 20 votos a favor e 5 ausências, em 11 de outubro, por quebra de decoro parlamentar, sob a acusação de uso indevido da verba indenizatória de sua ex-chefe de gabinete Laura Abreu. Foram 20 votos a favor e 5 ausências.

Em post publicado neste domingo (03), em seu perfil no Instagram, a petista comemora seu retorno à Casa de Leis, lembrando que ela retoma o mandato no dia do aniversário de seu neto. E pede flores vermelhas para colororir sua volta ao parlamento.

"Volto à Câmara nesta terça-feira, dia 5. Preparemos nossa passagem com flores vermelhas para colorir nosso caminho de luta por justiça. Ouçam a palavra de uma mulher preta. Ouçam as vozes que querem calar. Vozes pretas gritam a mais profunda ausência, silêncio forçado de homens e mulheres, pretas ou não, sedentos por justiça! [...] Veja o perigo, o perigo da palavra, do pensamento de uma única voz silenciada por ser a voz de muitos!".

Ao ainda apontar que ela seria 'a voz incômoda e perigosa que pensaram enterrar' e que não conseguiram.

"Veja do que são capazes homens e mulheres cruéis!! Penso que em tempos assim o maior gesto de amor à humanidade é ter coragem de enfrentar aqueles e aquelas que usam o ódio como forma de fazer política. Sou a voz incômoda e perigosa que pensaram enterrar e, vocês já sabem que nós somos sementes. Eles não! Na terça, todas as nossas bandeiras voltarão a ser fincadas, novamente, no centro geodésico da América do Sul, na Câmara de Cuiabá".

A vereadora reassume sua cadeira duas semanas depois da decisão da Justiça. À jornalistas, na semana passada, o presidente da Mesa Diretora da Casa, o vereado Chico 2000(PL) chegou a argumentar que a Câmara não teria ainda sido notificada oficialmente e que após citação o legislativo cuiabano organizaria os trâmites internos.

"Ainda não fomos notificados, tão logo sejamos notificados, com certeza a Câmara revogará atos anteriores, publicando os novos e em seguida abrindo as portas do plenário para a vereadora. Precisamos ser intimados e dar um prazo de pelo menos 24, ou 48 horas para o legislativo preparar os atos que são necessários".

Relembre 

Edna Sampaio em todo o processo de cassação e após a votação pela perda do seu mandato sempre disse que teria sido alvo de violência política de gênero e racial. Classificando a ação como uma montagem para condená-la. Ao sempre ressaltar que a Comissão teria desobedecido o Código de Ética e a legislação vigente, atropelando o processo na pressa de tira-la do mandato.

"Não fui acusada de 'rachadinha', inventaram uma acusação contra mim. Abriram um processo e me cassaram por consenso [...]. Sou a primeira mulher negra a entrar naquele parlamento e sou a primeira mulher alvo de um processo de cassação".

Ao ainda explicar que quando o processo foi suspenso, em agosto, haviam transcorrido 85 dias desde seu início e faltavam cinco dias para sua conclusão. Este era o prazo que restava para a Comissão realizar oitivas e outras diligências.

"O processo foi suspenso. O juiz mandou a Comissão tramitar conforme a lei. Restavam cinco dias. Acabou o prazo. Continuaram desrespeitando a lei. Entramos com uma queixa junto ao juiz e ele concedeu cinco dias para a Comissão se pronunciar. Também notificamos a Comissão e o juiz sobre o fim do prazo decadencial e ele deu 48 horas para que a Comissão respondesse".

Na época, o único político que foi a favor da parlamentar foi o deputado federal Abílio Junior(PL) que, em tese, como bolsonarista, estaria longe de realizar esta defesa. Para Abílio, era somente uma questão de tempo para que Edna Sampaio revertesse a cassação de mandato na Justiça. Porque, no seu entendimento, teriam ocorrido 'erros processuais insanáveis' na condução do processo por parte da Comissão de Ética e da Mesa Diretora da Câmara de Cuiabá.