Sexta-feira, 12 de Julho de 2024

POLÍTICA Sexta-feira, 07 de Abril de 2023, 09:28 - A | A

Sexta-feira, 07 de Abril de 2023, 09h:28 - A | A

CABO DE GUERRA

Jayme pede fim de ‘pendenga’ entre Emanuel e Mauro à véspera do aniversário de Cuiabá

Sobre as eleições, senador disse que a prioridade é organizar o partido e vê legitimidade na movimentação dos interessados

Da Redação do O Bom da Notícia/Com Assessoria

Com Cuiaba próximo de completar 304 anos de fundação neste sábado, dia 8 de abril, o senador Jayme Campos (União-MT) defendeu o fim da ‘pendenga’ entre o prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) e o governador Mauro Mendes (União). A interminável briga entre os dois se arrasta já há vários anos.

O ‘cabo de força’, que vai de críticas e acusações, segundo Jayme Campos, “é muito ruim” já que “quem está sendo penalizada é a sociedade cuiabana”.

Em entrevista à Rádio CBN, ele foi taxativo: a grande prejudicada é a sociedade.

Além de falar sobre a necessidade de pacificação entre os dois políticos, Jayme Campos sugeriu ao prefeito de Cuiabá trabalhar no sentido de “organizar e Prefeitura” e “fazer um belo trabalho”. Atualmente, por exemplo, a saúde pública está sob intervenção do Estado, decretada pela Justiça.

“Ao meu ver é preciso colocar a casa no seu devido lugar” - ponderou o senador na entrevista em que tratou ainda da sucessão nas duas principais cidades do Estado: Cuiabá e Várzea Grande.

Em Cuiabá, Jayme disse que a escolha do candidato do União Brasil se dará no ano que vem e considera legítimo e salutar que os interessados se articulem em busca de apoio - um dos critérios que deverá nortear a escolha. A outra será uma pesquisa, que deve ser feita entre janeiro e fevereiro.

Dois nomes já se disseram dispostos a se candidatarem: o deputado federal Fábio Garcia, e o deputado estadual Eduardo Botelho, presidente da Assembleia Legislativa. Jayme Campos referenciou ainda os secretários Rogério Galo, de Fazenda; Gilberto Figueiredo, de Saúde; e também de Mauro Carvalho, da Casa Civil.

“É um privilégio do nosso partido ter tantos bons nomes a oferecer aos eleitores” - ele frisou, lembrando, no entanto, que “eleição se ganha no conjunto de forças”.

Em Várzea Grande, “tudo leva a crer” que deverá ser mantida a coligação que elegeu o atual prefeito Kalil Baracat (MDB). Segundo Campos, Kalil vem cumprindo com os compromissos feitos com eleitores e tentando resolver, em parceria, os grandes problemas da cidade, citando a questão da água e da saúde pública.

Com a experiência de ter sido governador do Estado, três vezes prefeito e agora exercendo o segundo mandato de senador, Jayme Campos, no entanto, afirmou que a prioridade dos líderes do União Brasil é de organizar a sigla em todo Estado, que nasceu da fusão do Democratas com o PSL. “Importante que o partido esteja preparado, que tenha musculatura para disputar a eleição” - frisou.