Domingo, 21 de Julho de 2024

POLÍTICA Terça-feira, 25 de Abril de 2023, 08:39 - A | A

Terça-feira, 25 de Abril de 2023, 08h:39 - A | A

XADREZ POLÍTICO

Júlio Campos admite que boa parte dos líderes do União pode migrar para o Mais Brasil

Da Redação do O Bom da Notícia

Simpático com a imprensa, o ex-senador, ex-governador e atual deputado estadual Júlio Campos admitiu nesta segunda-feira(24), à jornalistas, a saída de boa parte das lideranças que compõe o União Brasil, de olho na fusão do PTB com o Patriota e, assim, com a criação do partido Mais Brasil.

Sem esconder, inclusive, que as conversações já estariam em andamento. E que além dele, migrariam o deputado estadual e presidente da Mesa Diretora da Assembleia, Eduardo Botelho, o senador Jayme Campos e até mesmo o líder do governo, Dilmar Dal Bosco.

A explicação, em princípio, seriam as eleições municipais de 2024. Como forma de acomodar aqueles que querem disputar o pleito, em especial, o presidente da Mesa Diretora do Legislativo estadual, Eduardo Botelho. Temendo que mais adiante, por meio de escolha interna da legenda, o governador Mauro Mendes acabe mesmo apoiando o deputado federal Fábio Garcia, como apontam informações de bastidores.

Em que pese que esta informação já tenha sido desmentida por algumas vezes por Mauro Mendes.

O governador chegou mesmo - em um deste questionamentos da imprensa -, a pedir que relembrassem o dia que teria se posicionado sobre este tema. Chegando até a dar 'puxões de orelha' em correligionários sob o argumento que as últimas eleições terminaram há pouco e que o processo eleitoral, de 2024, deveria ser discutido mais tarde.

Já Júlio Campos antevê, sim, dificuldades no União Brasil quanto a escolha de um nome de consenso para disputar, por exemplo, a Prefeitura de Cuiabá. Uma vez que Botelho e Garcia veem travando um confronto 'elegante', já que ambos não escondem o desejo de 'peitar' a candidatura como cabeça de chapa.

"Temos muitas dificuldades para agregar dentro do União Brasil todos os políticos, pois dentro do partido há dois, três candidatos. Esta seria uma saída, mas não há nenhuma afobação nesta migração", disse.