Segunda-feira, 22 de Julho de 2024

POLÍTICA Quarta-feira, 14 de Junho de 2023, 13:59 - A | A

Quarta-feira, 14 de Junho de 2023, 13h:59 - A | A

"SEM MOVIMENTAÇÕES"

Júlio Campos critica União Brasil e diz que partido está desativado

Evelyn Siqueira/O Bom da Notícia

O deputado estadual Júlio Campos (União Brasil), em entrevista à Rádio Cultura FM, nesta quarta-feira (14), criticou a falta da realização de reuniões no diretório estadual, além de expor que o partido vem sofrendo com desfiliações em municípios no interior do estado. 

“O partido não está funcionando! Nós fizemos uma convenção estadual, da qual eu não participei, e o senador Jayme também não participou, assim como os deputados Botelho e Dilmar também não, foi apenas o deputado Fábio Garcia que participou e elegeu o novo diretório com a presença do governador Mauro Mendes, o qual o governador se tornou presidente, e até hoje depois disso não houve outra reunião. O partido continua desativado, apenas tentando conseguir adesões de prefeitos”, disse 

Classificar o partido como ‘desativado’, Campos reclamou que o novo diretório do União Brasil não estaria realizando movimentações para as eleições municipais. 

“Enquanto ao partido, o deputado Dilmar também se queixou, dizendo que até hoje não houve nenhuma reunião da executiva e os outros partidos estão se organizando, e estamos perdendo muito filiados no interior, porque está um pouco desativado e estão achando que o partido não se interessa por eleição municipal, pois, o partido está com uma pasta embaixo do braço, sem movimentar filiações, sem movimentar a criação de diretórios municipais”, relatou 

Questionado durante a entrevista sobre os ânimos nos bastidores do partido, o deputado afirmou que seria impossível dizer que ‘vai bem’, já que se formou apenas 22 diretórios municipais no interior de Mato Grosso para direcionar as eleições de 2024. 

“Se formou apenas 22 diretórios que são comandados por prefeitos que vão buscar a reeleição, então só existem 22 municípios dos 141? O partido não vai bem! Se falar que vai bem, não vai!”, asseverou