Sexta-feira, 12 de Julho de 2024

POLÍTICA Sábado, 18 de Março de 2023, 11:36 - A | A

Sábado, 18 de Março de 2023, 11h:36 - A | A

PELO ESTADO

Júlio critica "ambulancioterapia" e espera resultados práticos com intervenção na saúde de Cuiabá

Luciana Nunes/ O Bom da Notícia

O deputado estadual Júlio Campos (UB), disse que na baixada cuiabana funciona a saúde de ambulancioterapia. Explicando que inúmeros pacientes do interior do estado são trazidos para cá de ambulância e superlotam as unidades de saúde de Cuiabá e Várzea Grande. E que estes pacientes são responsáveis por mais de 60% das internações.

"Temos uma verdadeira onda de ambulancioterapia, que descarrega pacientes na Grande Cuiabá. A verdade é que 60% das ambulâncias paradas em frente aos pronto-socorros de Várzea Grande e Cuiabá são de pacientes do interior. As cidades estão investindo cerca de 35% dos recursos na Saúde", afirma Júlio.

Assim, Júlio cobra mais investimento do Estado nos municípios de Mato Grosso, como forma de colocar fim a esta superlotação.

“O problema da saúde pública não é só de Cuiabá, não é só de Várzea Grande mais da grande maioria dos municípios de Mato Grosso, cujo recurso é insuficiente para resolver o problema da saúde no nosso Estado”, acrescentou.

Contudo, para o deputado, correligionário do governador, Mendes fará uma boa intervenção na saúde de Cuiabá, e que, inclusive, achará alternativas para ajudar Cuiabá ou mesmo realizar uma boa gestão na capital assim como ocorre em nível estadual.

“É necessário que está intervenção não seja usada politicamente, mas que seja usada pelo governo que tem grande recurso em caixa. Para que invista também na saúde de Cuiabá, e entenda que o momento é difícil. Tenho certeza que o governador Mauro Mende - que está fazendo uma gestão muito próspera com relação a saúde - há de entender que a intervenção e a nomeação do interventor não será apenas um ato formal, mas também uma alternativa de mais investimento na saúde de Cuiabá, como vem sendo feito no Estado”, acrescentou.

Esta é a segunda vez que o Governo assumirá a gestão da pasta. Em dezembro, uma decisão monocrática do desembargador Orlando Perri tirou a Saúde das mãos da Prefeitura. A liminar foi suspensa pela ministra Maria Thereza, presidente do Superior Tribunal de Justiça, que determinou que o julgamento fosse realizado pelo colegiado do TJMT.

Na última quinta-feira (9), a maioria dos desembargadores da Corte de Justiça de Mato Grosso decidiram pela volta da Intervenção do Estado, na Secretaria de Saúde da Capital.

Mauro Mendes escolheu a enfermeira Danielle Carmona Bertucini, servidora de carreira do Município de Cuiabá, como interventora. O procurador Hugo Fellipe Martins de Lima, que foi o interventor em dezembro, irá prestar assessoria jurídica à Danielle.