Domingo, 19 de Maio de 2024

POLÍTICA Quarta-feira, 21 de Dezembro de 2022, 17:18 - A | A

Quarta-feira, 21 de Dezembro de 2022, 17h:18 - A | A

VEJA VÍDEO

Nas redes, ex-prefeita classifica atos bolsonaristas como "ordeiros, admite participação e critica ministro

Marisa Batalha/ O Bom da Notícia

(Foto: Ilustração/Web)

EX-PREFEITA DE SINOP - ROSANA MARTINELLI.png

 

Ministro Alexandre Moraes, do Supremo Tribunal Federal, bloqueou as contas da ex-prefeita de Sinop, Rosana Martinelli - 480 Km de Cuiabá -, atualmente segunda suplente do senador reeleito Welligton Fagundes(ambos do PL), sob o argumento de que estaria ligada aos protestos, inclusive, aos atos nas rodovias estaduais e federais ao norte do Estado, que resultou em queimas de caminhões e no impedimento de ir e vir das pessoas, por conta do resultado das eleições de 2022.

Os atos iniciaram no dia 30 de outubro, após o resultado do segundo turno, que deu vitória a Luiz Inacio Lula da Silva(PT), com mais de dois milhões de votos de frente contra Jair Bolsonaro, igualmente da legenda Liberal, que buscava mais um mandato como presidente da República.

A ex-prefeita entrou na lista de políticos e empresários que tiveram suas contas bloqueadas no dia 15 de dezembro, por supostamente estarem financiando os protestos ou incentivando pessoas a participarem dos atos.

Por meio de suas redesm Martinelli, admitiu sua participação nos atos, classificando-os como pacíficas e ordeiras em favor do atual presidente da República.

"Participei e participo das manifestações em favor do presidente Bolsonaro e em favor da liberdade de expressão. Acredito e defendo a nossa população. E acredito que estou sofrendo, sim, retaliação por ser ex-prefeito mas, sobretudo, pelo fato de ser mulher. Mas acredito no Brasil, em Deus, Pátria e Família", disse a ex-prefeita em vídeo postado em seu Instagram. (Veja abaixo) 

Veja vídeo 

 

 
 
 
View this post on Instagram
 
 
 

A post shared by Rosana Martinelli (@rosanamartinelli)