Domingo, 23 de Junho de 2024

POLÍTICA Terça-feira, 22 de Novembro de 2022, 12:44 - A | A

Terça-feira, 22 de Novembro de 2022, 12h:44 - A | A

AÇÕES CONTRA MANIFESTANTES

Pivetta descarta uso da Força Nacional para acabar com bloqueios em rodovias de MT

Marisa Batalha/ Luciana Nunes/O Bom da Notícia

'Nós podemos cuidar de Mato Grosso, aqui nós temos força para apoiar e cuidar do nosso território. Assim, por hora, achamos desnecessária a convocação das Forças Nacionais', disse nesta terça-feira(22), à imprensa, o governador interino, Otaviano Pivetta(Republicanos), ao descartar a inserção de mais uma força de segurança nos desbloqueios das estradas. E apontar a chegada de mais 100 homens da Polícia Rodoviária Federal, para reforçar as ações que estão sendo conhecidas como 'pacto pela ordem'.

Para Pivetta, este contigente será suficiente para desobstruir as estradas estaduais e federais como também garantir que não sejam realizados novos bloqueios.

Mesmo admitindo que o Estado reage a ataques criminosos, mas não consegue antecipar, claro, suas ações. Ao se referir a série de ataques praticados por manifestantes neste último sábado(19), à concessionária Rota do Oeste [que administra as BRs 163 e 364], com coquetel molotov, tiros em uma ambulância, guinchos incendiados e, paralelamente, com obstruções nas rodovias com árvores, derramamento de cargas de grãos e óleo espalhados nas estradas. E nesta segunda-feira(21), em outro ataque - já considerados como atos terroristas -, de três caminhões que foram incendiados na BR-163, em Sinop, sentido à Itaúba (600 km de Cuiabá) e em Cláudia, municípios que ficam ao norte do Estado.

"Por hora dispensamos essa mobilização da Força Nacional. Claro, descartado não está. Mas se houver necessidade o governo certamente vai fazer analisar, por enquanto não há necessidade pois temos uma força organizada suficiente para apoiar e cuidar do Estado”.

O governador interino igualmente garantiu que após a liberação das rodovias, guarnições policiais devem permanecer nos locais para impedir uma nova concentração de manifestantes. "Após serem desobstruídas, uma equipe policial deve ficar de prontidão para garantir a manutenção do fluxo, até acalmar os ânimos. Isso será feito o tempo que for necessário, até esse movimento acalmar".

Ao apostar que estas manifestações - por inconformados com a derrota do presidente Jair Bolsonaro(PL), que buscava a reeleição vão acabar cessando e, novamente, vai ganhar a democracia. Mas que isto, entretanto, nunca teria ocorrido na história do país, assim, seria natural que 'aqueles que apostaram no futuro com Bolsonaro, se sintam frustrados contra aqueles que optaram pelo passado', ao dar a vitória a Luiz Inácio Lula da Silva(PT), que volta ao comando do Palácio do Planalto pela terceira vez não consecutivas.

Ações desta terça

O Gabinete de Crise da Secretaria de Estado de Segurança Pública desencadeou, na manhã desta terça-feira uma operação na BR-163 para liberar os trechos bloqueados da rodovia. A operação teve início às 6h, em Lucas do Rio Verde, com a retirada de toda a estrutura montada às margens da rodovia. As equipes trabalham, nesse instante, na liberação da pista.

Manifestantes voltaram a fechar rodovias desde a última quinta-feira (17), mas seguiam no acostamento em alguns pontos desde o dia 30 de outubro, logo após a eleição. Eles não aceitam o resultado das eleições presidenciais de 30 de outubro.

Conforme o levantamento divulgado pela Polícia Rodoviária Federal nesta terça-, o número de bloqueios e interdições nas rodovias federais chegaram a 18, o total é maior que o registrado nesta segunda-feira (21), com 17 pontos de retenção.

Hoje novamente, o superintendente da Polícia Rodoviária Federal de Mato Grosso, Francisco Elcio Lima Lucena, voltou a apontar mudança no perfil das manifestações bolsonaristas, ao revelar que haveriam investigações em curso para descobrir a rede de financiadores dos atos criminosos.

Mais de 100 pessoas estão sendo investigadas, suspeitas de financiar ou liderar a nova onda de bloqueios em rodovias de Mato Grosso. E já foram aplicadas mais de R$ 3 milhões em multas contra os manifestantes.