Sábado, 18 de Maio de 2024

POLÍTICA Segunda-feira, 11 de Março de 2024, 16:32 - A | A

Segunda-feira, 11 de Março de 2024, 16h:32 - A | A

VEJA VÍDEO

Um deputado é baleado e 30 famílias desalojadas em reintegração de posse no Contorno Leste

Luciana Nunes/ O Bom da Notícia

Desespero, gritaria e incertezas. Este foi o cenário desta segunda-feira (11) para pelo menos 30 famílias que residem em uma área do Contorno Leste, localizado entre os bairros Dr. Fábio e Osmar Cabral, em Cuiabá. Alvos de um processo de reintegração pela  terceira vez.

Sem terem para onde ir, as famílias sem negam a deixar as casas.

A desapropriação é resultado de uma decisão da juíza Adriana Sant’Anna Coningham, da 2ª Vara Cível Especializada em Direito Agrário de Cuiabá, que determinou o cumprimento da reintegração de posse nesta segunda.

Há pelo menos um ano inúmeras audiências de conciliação vêm sendo feitas entre os ocupantes e a empresa que reivindica propriedade da área.

O deputado Wilson Santos (PSD) que esteve na desocupação no entorno do Contorno Leste nesta manhã acabou sendo atingido por um disparo de bala de borracha no braço. Além dele, uma assessora do deputado Valdir Barranco (PT) também foi atingida. Os dois foram conversar com moradores e prestar apoio.

Imagens do local mostram o deputado conversando com as autoridades que estavam no local durante o cumprimento da ordem de desocupação. “Nós estamos indo lá no vice-governador. Aí tem criança perdida, tem gente que tentou se enforcar. Eu tomei bala de borracha”, disse Wilson, mostrando o braço.

Conforme denunciado, os policiais que atuaram na desocupação descumpriram uma medida imposta pela ministra Cármem Lúcia do STF  que determinou que está “impedido o uso da força para desocupação do imóvel em litígio”.

A magistrada também reforçou a necessidade de encaminhamento das famílias para um local adequado.

A Associação de Moradores Brasil 21 (2ª Etapa) entrou com um recurso contra a decisão da 2ª Vara Cível Especializada em Direito Agrário de Cuiabá, que determinou a reintegração, alegando que foi descumprida a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 828.

Os moradores alegam que não têm para onde ir e a grande maioria vive em condições muito precárias, em barracos de lonas, pois não tinham como construir nem barracos de madeira ou paletes.

No local vivem muitas famílias venezuelanas, em sua maioria, que fugiram de seu país em busca de condições melhores de vida. Há também haitianos, colombianos, além dos cuiabanos.

Veja vídeo