Sábado, 20 de Julho de 2024

POLÍTICA Quarta-feira, 13 de Setembro de 2023, 10:00 - A | A

Quarta-feira, 13 de Setembro de 2023, 10h:00 - A | A

"OLHO POR OLHO"

Vereadora Michelly Alencar aproveita derrubada da CPI do Calote para cutucar Luiz Fernando

Evelyn Siqueira/ O Bom da Notícia

Aproveitando a ‘derrubada’ da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), chamada de CPI do Calote, que investigaria a dívida de R$ 165 milhões da Prefeitura de Cuiabá com órgãos federais, como Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), proposta pelo vereador Dr. Luiz Fernando (Republicanos).

Nesta terça-feira (12), durante coletiva na Câmara Municipal, a vereadora Michelly Alencar (UB) cutucou o colega Republicano, ao lembrar que parlamentar foi um dos motivos para que a ‘CPI da Providência’ não fosse instaurada. 

“Vemos essas situações acontecendo recorrentemente aqui na Casa, pois, não é a primeira vez que isso acontece, inclusive eu sou prova disso, porque a primeira a solicitar essa CPI com esse mesmo objeto fui eu! E quando apresentei e fui ler os nove nomes, alguns vereadores retiraram sua assinatura, inclusive, o vereador que propôs essa CPI agora e acabou passando pela mesma situação”. 

Vale lembrar que no início do ano Michelly também havia proposto uma CPI que investigaria a falta de repasse da Prefeitura de Cuiabá para o MT Prev e ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), no entanto, durante a sessão, dois parlamentares retiraram as assinaturas e o processo foi derrubado. 

Afirmando que seu ‘grande alvo é combater aquilo que impacta negativamente a vida da população’, Michelly assegurou que continuará assinando proposituras que busquem combater a corrupção na gestão do prefeito da capital, Emanuel Pinheiro(MDB), apesar das ‘movimentações contrárias’. 

“O meu grande alvo não é grupo político ou uma pessoa, meu grande alvo é tentar combater aquilo que impacta negativamente a vida da população. Mas é fato que as pessoas, — servidores —, estão tendo descontos em sua folha de pagamento e esses descontos não estão sendo repassados. E, mesmo que alguns tenham retirado a assinatura quando eu propus, eu assinei esta e fico muito triste e frustrada em ver essas situações acontecendo, porque desde o início quando trouxemos essa denúncia vemos essa movimentação contrária para que não seja instalada a CPI”, assegurou.

Outro vereador que faz parte do grupo de oposição à Emanuel Pinheiro(MDB), na Câmara, e que luta para instaurar uma comissão processo contra o gestor municipal, é o vereador Dilmeário Alencar (Podemos). Conforme ele, no caso especifico do que já está sendo conhecido como a 'Lei do Calote', essa dívida contraída com FGTS e INSS, se corrigida pode chegar a quase R$ 300 milhões para os cuiabanos pagarem até o ano de 2030.  

Entenda 

Nesta última segunda-feira (11), o vereador Wilson Kero Kero (Podemos) retirou sua assinatura do requerimento de abertura da Comissão Parlamentar de inquérito (CPI) que tinha como objetivo investigar os débitos referentes aos tributos e contribuições federais que teriam sido descontados dos servidores, mas não foram repassados à União. Com isso, a abertura da comissão investigadora foi suspensa. 

Em sua justificativa, o parlamentar disse que a CPI perderia o objeto já que existe um Projeto de Lei para parcelar esse débito. 

O requerimento para a abertura da CPI foi aprovado na sessão realizada na última terça-feira (05), após ser apresentado pelo vereador Dr. Luiz Fernando (Republicanos), teria a formação de membros nesta segunda (11), porém, com a retirada, a CPI contabiliza oito assinaturas, desta forma retorna aos trâmites iniciais, ou seja, a fase de coleta.