Terça-feira, 28 de Maio de 2024

POLÍTICA Segunda-feira, 14 de Novembro de 2022, 17:42 - A | A

Segunda-feira, 14 de Novembro de 2022, 17h:42 - A | A

"NUNCA ME CHAMARAM PARA REUNIÃO"

Wilson diz que regimento interno precisa mudar para oxigenar AL, ao apontar comando de Botelho e Russi

Marisa Batalha/O Bom da Notícia

'Hoje,só conseguem montar uma chapa competitiva para disputar o comando da Assembleia, os deputados Eduardo Botelho (UB) e Max Russi (PSB)", garantiu nesta segunda-feira(14), o deputado estadual reeleito, Wilson Santos (PSD). 

Ao lembrar que, no entanto, o atual presidente da Casa de Leis, ainda espera resposta à uma consulta feita pela direção nacional do União Brasil, junto ao Supremo Tribunal Federal, se Botelho pode voltar a presidir o parlamento pela quarta vez.

"Até onde sei caso não possam, eles [Botelho e Russi] devem inverter a composição, colocando um na presidência e Botelho como 1° secretário. Porque a deputada Janaina já jogou a toalha", disse ainda Wilson em entrevista à CBN Cuiabá. 

Ao criticar o regimento interno, que exige a participação na composição da chapa, de sete deputados. Reiterando que, porém, todas as decisões sempre foram tomadas somente pelos três líderes.

"Meu mandato vai acabar, inicio outro, e neste tempo fiz parte da composição da Mesa Diretora e nunca fui convocado para nenhuma reunião. As decisões sempre foram tomadas por três[Botelho, Russi e Janaina que é vice-presidente]. Isto ocorre porque o atual regimento interno impossibilita que haja renovação no comando da Assembleia".

Frisando que já existem propostas para o mudar o regimento interno, onde cada um possa disputar com candidaturas avulsas. Ao reiterar que até que este mecanismo interno mude, devem continuar na liderança da Mesa Diretora do Legislativo estadual os três, com Janaina podendo assumir a segunda secretaria".

"Olha só foram reeleitos 18 deputados e existem seis novos parlamentares. Se eles se unirem não conseguem formar uma chapa porque, necessariamente, a composição exige que tenham sete. O próprio sistema é montado para dificultar a renovação. Isso já vem de um bom tempo. Fiz uma resolução que foi aprovada que prevê que aquele que ocupar a presidência ou a primeira secretaria em um biênio, não poderá exercer nenhum cargo no biênio seguinte".

Para Wilson, sua resolução assegura a oxigenação e mais do que isto deixa que outros parlamentares possam, igualmente, conhecer o que é comandar um Legislativo. Mudar regras, dar mais transparência aos trabalhos que a Casa realiza e, sobretudo, como são realizados seus gastos.

"Minha resolução vai garantir oxigenação da Casa. Dando oportunidade a outros parlamentares de exercerem a direção do Parlamento. Olha, por exemplo, estou lá há dois anos e nunca participei sequer de uma reunião da Mesa. No dia 31 de janeiro termina o meu mandato e eu nunca fui convidado para participar de nenhuma reunião. São sete membros, mas a decisão sempre são de três. Só somo comunicados da decisão. Ou seja, este modelo tem que mudar. Melhorar. Precisa-se aumentar a sua transparência, por que são R$ 600 milhões por ano gastos pelo Legislativo, que tem 24 deputados. Tem cidades grandes hoje de Mato Grosso que não possuem estes recursos. Então precisa-se aumentar essa transparência e dar mais qualidade aos seus gastos".