Sexta-feira, 24 de Maio de 2024

AGRO & ECONOMIA Quinta-feira, 17 de Novembro de 2022, 16:33 - A | A

Quinta-feira, 17 de Novembro de 2022, 16h:33 - A | A

Bolsonaro furou teto de gastos em R$ 795 bilhões durante o mandato

Economia

Presidente Jair Bolsonaro (PL) falando à imprensa
Fabio Rodrigues-Pozzebom/ Agência Brasil - 26/10/2022

Presidente Jair Bolsonaro (PL) falando à imprensa

A Fundação Getúlio Vargas (FGV), a pedido da BBC News Brasil, conduziu uma pesquisa sobre os gastos do presidente Jair Bolsonaro (PL) acima do teto de gastos - regra constitucional que regula os gastos e despesas segundo a inflação do ano anterior. Segundo as informações levantadas, os gastos federais somam R$ 795 bilhões entre 2019 e 2022.

O economista e pesquisador Bráulio Borges aponta que apenas em 2019, foram gastos R$ 53,6 bilhões acima do teto de gastos. Em 2020, R$ 507,9 bilhões. Os anos seguintes seguiram gastos similares, com R$ 117,2 bilhões para 2021 e R$ 116,2 bilhões este ano. 

O presidente eleito,  Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tenta aprovar a PEC da Transição, que permitiria até R$ 198 bilhões acima do teto por ano para despesas como o Auxílio Brasil , que voltará a se chamar Bolsa Família no próximo ano. Atualmente, o Orçamento previsto para o benefício em 2023 é de R$ 105 bilhões, valor suficiente apenas para o pagamento de parcelas de R$ 405 por mês. 

A medida foi apresentada ao Congresso nesta quarta-feira (16) pelo vice-presidente eleito e líder da equipe de transição, Geraldo Alckmin .

O teto de gastos tem como principal função impedir o governo de gastar mais do que arrecada e, consequentemente, evitar o endividamento, que atualmente se encontra em 77% do Produto Interno Bruto (PIB). Durante sua formulação, previa-se que a medida faria com que o governo destinasse dinheiro público para o pagamento de dívidas. 

Em seu Twitter, a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, defendeu a ampliação dos gastos para o próximo governo, afirmando que o Orçamento enviado pelo governo atual não contempla programas sociais como o Farmácia Popular e o  Auxílio Brasil de 600 reais. Segundo a deputada, a equipe do presidente eleito estaria trabalhando para reverter o quadro financeiro do próximo ano. 

Gastos do governo Bolsonaro em 2019

Durante o primeiro ano de sua gestão, o governo Bolsonaro defendeu a flexibilização do limite constitucional, afirmando que era "questão de matemática" e que, caso não aumentasse as despesas do governo, teria de "cortar a luz de todos os quartéis do Brasil". 

Ainda em 2019, o Congresso permitiu a alteração da Constituição para a transferência de R$ 46 bilhões para os estados em relação à leilões de exploração de campos de petróleo. Outros R$ 7,6 bi foram destinados à Marinha para a compra de novos navios. 

Pandemia

Segundo a pesquisa, a maior parte do dinheiro gasto acima do limite constitucional foram gastos durante a pandemia de Covid-19, porém a flexibilização do Orçamento já acontecia no ano anterior ao período de isolamento. Os gastos, em sua maioria, foram destinados para despesas como o programa de redução de jornada de trabalho, o financiamento do Sistema Único de Saúde (SUS) e o Auxílio Emergencial, que hoje se transformou no Auxílio Brasil. 

Com novas ondas da covid em 2021, as despesas públicas passaram de R$ 117,2 bilhões. O Auxílio Brasil de R$ 400 reais e a PEC dos Precatórios, que alterava o cálculo do teto para a inflação acumulada até dezembro e autorizava o atraso no pagamento das dívidas da União, o Orçamento federal obteve uma folga no teto de gastos de mais de R$ 49 bilhões. 

PEC Kamikaze

Em julho deste ano, foi aprovada pelo Congresso a PEC Kamikaze, que autorizava diversos gastos acima do limite constitucional para os benefícios sociais já existentes, além da criação de novos auxílios para caminhoneiros e taxistas, por exemplo. A proposta permitiu que fossem gastos R$ 41,2 bilhões acima do teto.

Para justificar seus gastos, Bolsonaro citou a guerra na Ucrânia como o grande fator para o aumento de gastos públicos em 2022. Segundo o governo, o conflito teria impactado a inflação brasileira. "Esses problemas todos, nenhum governo na história do Brasil pegou tantos problemas como eu peguei", afirmou durante entrevista em abril deste ano.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

Fonte: IG ECONOMIA