Segunda-feira, 22 de Julho de 2024

BRASIL & MUNDO Sábado, 27 de Maio de 2023, 16:01 - A | A

Sábado, 27 de Maio de 2023, 16h:01 - A | A

"Caça às árvores" e trilhas marcam Dia da Mata Atlântica em São Paulo

EBC Geral

Para marcar o Dia da Mata Atlântica, celebrado neste sábado (27), e alertar a população sobre a importância do bioma, a Fundação SOS Mata Atlântica promoveu mais uma edição do Dia da Mata, com uma série de atividades gratuitas em diversos parques da capital paulista, como o Parque Natural Municipal Fazenda do Carmo, o Parque Linear São José, o Parque Augusta, o Parque Trianon, o Parque Villa-Lobos, o Parque Anhanguera e a Terra Indígena do Jaraguá.

Entre as atividades estavam trilhas, plantios de mudas, oficina de sementes nativas, análise da qualidade das águas e contação de histórias. A ideia era promover uma imersão nesse bioma, que abriga mais de 70% da população brasileira e que precisa de um movimento universal de retomada para sua proteção, recuperação e garantia de futuro.

“Hoje é o Dia Nacional da Mata Atlântica, um bioma que atinge 17 estados brasileiros e mais de 3,4 mil municípios. Muita gente que vive nesses lugares pouco conhece ou pouco sabe, mas a Mata Atlântica é a nossa casa e toda a nossa luta é em defesa desse bioma”, disse Marcia Hirota, presidente da Fundação SOS Mata Atlântica, em entrevista à Agência Brasil.

A Mata Atlântica sofre um processo acelerado de desmatamento. Atualmente, resta apenas cerca de 20% da cobertura vegetal original de um bioma composto por inúmeras espécies de plantas e animais. “A Mata Atlântica é um bioma extremamente rico em termos de biodiversidade, em espécies de plantas e de animais, mas também presta serviços ambientais à sociedade. Por exemplo, ela protege as nascentes e todo o fluxo hídrico e então ela garante a água não só para o nosso consumo, como também para o nosso desenvolvimento. Ela também regula o clima, protege o solo, é fonte de alimentos e tem princípios ativos que são utilizados nas indústrias de cosméticos e de remédios”, explicou Márcia Hirota.

Ela acrescentou que esse “patrimônio” nacional precisa ser preservado com urgência para as futuras gerações. “Precisamos agir, precisamos protestar, precisamos contribuir de alguma forma porque precisamos garanti-lo para o futuro. Temos que cuidar para que ele se perpetue”.

“Caça às árvores”

No Parque Trianon, localizado em plena Avenida Paulista e é um resquício remanescente da Mata Atlântica original, frequentadores participaram de uma caça ao tesouro, ou melhor, de uma "caça às árvores". Por meio do aplicativo Natu Contos, desenvolvido pela fundação e disponível gratuitamente para celulares, o público foi seguindo um caminho indicado pelo celular e conhecendo diversas árvores do Parque Trianon, entre elas, o pau-ferro, a embaúba e o jequitibá. Ao chegar a essas árvores, o aplicativo apresenta contos de autores da literatura infantojuvenil e que são narrados por artistas da música brasileira, como Lenine, Ney Matogrosso e Martn’alia.

Um dos participantes foi o autônomo e estudante técnico em meio ambiente Washington Alan, 45 anos. “Fazia tempo que eu não vinha aqui no parque e é muito interessante fazer essa visita guiada. Você tem acesso a informações que sozinho você não teria”, contou. Para ele, defender e proteger a Mata Atlântica é uma questão de sobrevivência. “Sem esse ecossistema saudável, não temos qualidade de vida. Essa proteção do meio ambiente é para o próprio bem-estar do ser humano”, acrescentou.

Quem estava no Parque Trianon também pode participar de uma saída fotográfica e até provar um açaí típico da Mata Atlântica, como fez a advogada Márcia Valéria, 66 anos, que participou das atividades ao lado do sobrinho Giovane, 11 anos. “Esse é um açaí mais leve, estou adorando”, disse a advogada.

Moradora próxima ao parque, Márcia Valéria revelou desconhecer que a área faz parte da Mata Atlântica. “Estou achando as atividades muito interessantes, com muito conteúdo, dando nomes de muitas árvores que eu não conhecia. Foi interessante conhecer mais sobre as plantas e sobre as árvores. É importante fazermos um movimento para a preservação da natureza. Acho que devia ter mais desses eventos para repercutir no Brasil todo”, afirmou.

Fonte: EBC GERAL