Quinta-feira, 25 de Julho de 2024

POLÍTICA Sábado, 22 de Junho de 2024, 08:10 - A | A

Sábado, 22 de Junho de 2024, 08h:10 - A | A

FIM DE NOVELA

Emanuel classifica como ‘traição’ venda de vagões do VLT; Mendes vê ressarcimento aos cofres

Silvano Costa/Marisa Batalha/O Bom da Notícia

Nesta última quinta-feira (20), o prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) classificou como 'traição' à população de Cuiabá e Várzea Grande, a venda dos vagões do Veículo Leve sobre Trilhos. Em contraposição à declaração do governador Mauro Mendes(União) - que não só comemorou o negócio fechado com a Bahia -, como também anunciou que os R$793,7 milhões serão utilizados para custear os equipamentos e a obra de implantação dos Ônibus de Transporte Rápido [BRT] em Cuiabá e Várzea Grande.

É de conhecimento público a briga - até midiática -, entre Emanuel e Mendes. Uma queda de braço que vem desde o primeiro mandato do governador, em 2018, e acirrada com a decisão das trocas dos modais tão logo Mendes assumiu a Governadoria.

À imprensa, na entrega de 18 novos ônibus para a capital - mesmo sendo um dia de conquista, o prefeito emedebista lamentou profundamente a venda dos vagões do VLT, para a Bahia. "Nesta quarta, dia 19 de junho, foi o dia da traição, dia que Cuiabá foi apunhalada pelas costas, quando os vagões foram vendidos para o Governo da Bahia, vagões em perfeito estado", disse.

Ao reafirmar que os vagões pertencem à população cuiabana, que financiou um projeto que não aconteceu e, agora, sabe-se que não mais se concretizará. 

"Esses vagões são nossos, da população cuiabana, pagos pela população cuiabana. Mantidos por mais de 10 anos. Mas por incompetência e por falta de vontade política não colocaram o VLT em operação, mas a população manteve nesses anos os vagões intactos, em perfeito estado de conservação, tanto é que a Bahia comprou", contou.

"Aí eu pergunto, se serve para Salvador, uma grande capital com cerca de 3 a 4 milhões de habitantes, por que não serve pra Cuiabá? Estava aqui, era nosso, a população cuiabana pagou. É por isso que eu lamento", ainda questionou Emanuel.

Boa venda, grande negócio

Ainda na quinta, no Palácio Paiaguás, após a posse dos novos integrantes de seu staff, Mendes garantiu que a assinatura do contrato que oficializará a compra dos vagões pelo Estado da Bahia será assinado na próxima semana, garantindo o ressarcimento integral do valor investido, ou seja, enfim, com o retorno dos recursos aos cofres público.

O pagamento será feito em quatro parcelas anuais corrigidas pelo IPCA-E, com a primeira parcela prevista para ser paga em dezembro deste ano.

A Bahia optou em garantir o pagamento das parcelas por meio de sua cota no Fundo de Participação dos Estados(FPE).

"A venda dos vagões foi uma oportunidade que caiu do céu e o dinheiro será utilizado integralmente para implantação do BRT. Beneficiando a população dos dois municípios, garantindo uma melhoria do transporte público, proporcionando mais eficiência e qualidade nos deslocamentos do cidadãos e, claro, um salto na mobilidade urbana".