Quarta-feira, 12 de Junho de 2024

POLÍTICA Terça-feira, 24 de Novembro de 2020, 17:23 - A | A

Terça-feira, 24 de Novembro de 2020, 17h:23 - A | A

DENÚNCIA

Secretaria de Educação também é alvo do Grupo de Emanuel e usada para fazer campanha

O Bom da Notícia

Mais uma denúncia de uso da máquina pública para favorecimento do atual prefeito Emanuel Pinheiro. Dessa vez, a Secretaria de Educação, sob comando de Edilene de Souza Machado, foi usada de palanque para pedir voto e mobilizar os servidores em favor do emedebista. A exemplo da Secretaria de Saúde, em que Miriam Pinheiro foi gravada coagindo servidores em horário de expediente, foi a vez da Secretaria de Educação intimar os profissionais a saírem para a rua pedindo voto para Emanuel.

Em horário de expediente e no uso das suas atribuições como secretária de Educação do Município, Edilene convoca a todos para se mobilizarem em favor de Emanuel Pinheiro. “Tá saindo só os diretores e coordenadores na rua, nós precisamos dos profissionais da educação, tira (sic), deem preferência pro final da tarde, agora de manhã realmente tá muito quente, mas, o final da tarde, fazendo uma visita, cada um visitando 10 casas, é o suficiente, tá?”, determina a chefe da Pasta.

SAÚDE

Essa é a segunda denúncia contra o grupo de Emanuel Pinheiro por crime eleitoral, conduta vedada e uso da máquina pública. Na Secretaria de Saúde do Município, a prima do prefeito Emanuel Pinheiro (MDB), Miriam de Fátima Nascheveng Pinheiro está sendo investigada, por organizar uma reunião durante o expediente, quando teria coagido os servidores públicos a votarem no emedebista, bem como, a comparecerem em um ato de campanha sob a ameaça de perderem os cargos.

“Não tem filho, não tem conselho tutelar que vai tirar a criança de vocês por 13 dias só. Não tem marido ciumento, não tem nada, vão pra rua. Aqui todo mundo tem cargo, tem emprego, tem benefícios e ninguém cobra nem o ponto de vocês aqui dentro. Ninguém sabe quem que vai ficar no meu lugar, no lugar da Suelen. Eu tô preocupada com tudo que foi construído até hoje, vai tudo por água abaixo. Se deixar pra acordar ano que vem, ano que vem vai tá todo mundo na rua, é isso que vai acontecer”, traz trecho do áudio vazado em que Miriam foi flagrada cometendo crime.

A Lei das Eleições veda a utilização da máquina pública em benefício de candidatos, conforme o rol de condutas vedadas a agentes públicos do art. 73 da Lei 9.504/97. Além disso, o Ministério Público e a Polícia Federal devem investigar os crimes eleitorais e os atos de improbidade administrativa decorrentes da conduta eleitoreira em benefício da candidatura de Emanuel. (Com informações da assessoria da coligação 'Cuiabá para Pessoas')

Ouça em anexo os áudios