Domingo, 19 de Maio de 2024

POLÍTICA NACIONAL Quarta-feira, 23 de Novembro de 2022, 17:33 - A | A

Quarta-feira, 23 de Novembro de 2022, 17h:33 - A | A

TRE aponta falhas e é contra aprovação de contas da campanha de Moro

Política Nacional

Ex-ministro da Justiça Sergio Moro
Marcello Casal JrAgência Brasil - 24/04/2020

Ex-ministro da Justiça Sergio Moro

O Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR) voltou a apontar irregularidades na prestação de contas da campanha do ex-ministro e senador eleito Sergio Moro (União) . O TRE também se manifestou contra a aprovação dos documentos entregues pelo  ex-juiz para comprovar os gastos durante as eleições .

No relatório, a área técnica sinalizou que há "infração grave" e apontam sete tipos de gastos que não foram esclarecidos, além de indicar outras três ocorrências.

No início do mês, o TRE já havia apontado inconsistências nos documentos entregues . Na ocasião, Moro recebeu uma intimação da Justiça para enviar, no prazo de três dias, novos registros. O  senador eleito , então, apresentou esclarecimentos, mas a defesa foi rejeitada.

De acordo com o relatório apresentado por Moro nessa terça (22), a campanha dele gastou, durante o período eleitoral, um total de R$ 5.103.465,24.

De acordo com o TRE , uma das falhas identificadas, foi na declaração de gastos com adesivos e materiais impressos, na quantia de R$ 61.770.

Os técnicos informaram que as notas fiscais emitidas indicam que os produtos foram usados por outros candidatos. Eles, entretanto, não aparecem como beneficiários no rateio da verba.

Ainda segundo o Tribunal, a campanha de  Moro não explicou ou regularizou as falhas nas despesas pagas com recursos do Fundo Partidário, que totalizam R$ 34.716,50 — como o pagamento acima do valor previsto e contratos sem assinaturas. 

Os documentos também teriam falhas ao indicar o uso de R$ 6.868,64 do Fundo Especial de Financiamento de Campanha, a maioria por falta de contrato, e o TRE questiona as doações financeiras recebidas depois do prazo legal, que somam R$ 153 mil.

Da primeira vez, os técnicos encontram inconsistências em itens como receitas sem a indicação do CPF ou CNPJ dos extratos eletrônicos — o que impossibilita a identificação e o conferimento da identidade dos doadores declarados. Outro problema foi em relação aos casos de doações de outros candidatos ou partidos para a campanha de Moro, com informações divergentes das prestações de contas dos doadores.

Ex-juiz e ex-ministro,  Moro foi eleito senador pelo Paraná com 1,9 milhão de votos, 33,5% do total destinados para os candidatos ao Senado. Ele foi mais bem votado que Paulo Martins (PL) e Alvaro Dias (PODE).

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política