Sexta-feira, 24 de Maio de 2024

POLÍTICA Sábado, 13 de Abril de 2024, 08:51 - A | A

Sábado, 13 de Abril de 2024, 08h:51 - A | A

ENTRAVES

Falta de recursos e pacientes do interior levam Emanuel a pedir estadualização do HMC

Da Redação do Bom da Notícia com Assessoria

O prefeito Emanuel Pinheiro voltou a enumerar durante entrevista à Radio Cultura, nesta última quinta-feira (11), algumas ações realizadas em sua gestão na área de Saúde, em Cuiabá, dentre elas a finalização da obra do maior hospital do estado, Hospital Municipal de Cuiabá Leony Palma de Carvalho (HMC), e ainda a ampliação no atendimento na Atenção Básica e Secundária. 

"Na gestão Emanuel Pinheiro o padrão de oferta de Saúde de Cuiabá foi elevado, eu fiz o maior hospital do estado, eu fiz duas UPAs, eu recebi a rede com 72 equipes da Saúde da Família, hoje temos 110 equipes, recebi com 10 equipes de Saúde Bucal e hoje temos 63. Eu ampliei a oferta da Saúde, o que já era referência virou uma super referência", afirmou o prefeito. 

Ao em seguida explicar - que apesar das melhorias no serviço -, Cuiabá enfrenta problemas por receber pacientes de todo o Estado, sem receber recursos financeiros para isso. 

"Não existe hospital regional no interior, os poucos que existem estão arrebentados com denúncia de paralisação, de mal funcionamento e de má gestão", afirmou o prefeito. "A Saúde em Cuiabá é feita sem a contrapartida do Estado, com apoio do Governo Federal, mas um apoio que não acompanhou o nível da oferta e isso sobrecarregou a população cuiabana. Se o HMC fosse só para a população cuiabana dava e sobrava", afirmou o prefeito. 

Assim, diante dos entraves financeiros, Pinheiro acredita que a estadualização do HMC é uma forma de solucionar a falta de contrapartida do estado na prestação de serviços de Saúde a pacientes do interior do estado. 

O gestor municipal explicou que propôs ao conselheiro-presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Sérgio Ricardo, a estadualização como forma de resolver a ausência de recursos não repassados ao estado. Nos últimos três meses, cerca de 30% dos atendimentos de urgência do HMC foram destinados a pacientes do interior de Mato Grosso. 

"O HMC é hospital municipal somente no nome, ele é um hospital regional de fato porque não existe saúde no interior do estado, e isso não é nenhuma crítica, é uma constatação, não existe hospital regional no estado e Cuiabá sempre foi referência, Cuiabá sempre carregou a Saúde de Mato Grosso nas costas, independente de Emanuel Pinheiro, os outros gestores também passaram por isso", afirmou o prefeito.