Quinta-feira, 23 de Maio de 2024

POLÍTICA Sábado, 13 de Abril de 2024, 08:05 - A | A

Sábado, 13 de Abril de 2024, 08h:05 - A | A

SAÚDE COLAPSADA

'Prefeito aceitar estadualização do HMC é atestado de incompetência’, diz Luiz Fernando

Silvano Costa / Especial para O Bom da Notícia

O vereador Dr. Luiz Fernando (União Brasil) ironizou nesta quinta-feira (11), a facilidade com que o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB) de pronto aprovou a proposta do Tribunal de Contas do Estado de estadualizar o Hospital Municipal de Cuiabá quando em todos discursos, ao longo destes dois mandatos, sempre se vangloriou de ter realizado a maior obra na área de saúde em Mato Grosso, ao terminar o HMC.

E bem, recentemente, chegando até mesmo a propor ao conselheiro-presidente da Corte de Contas, Sérgio Ricardo, a estadualização como forma de resolver a ausência de recursos não repassados,. Ainda sob a justificativa da elevação no número de atendimentos de urgência nos últimos três meses, ao entorno de 30%, de pacientes vindos do interior de Mato Grosso. 

De acordo com Dr. Luiz Fernando, a decisão é uma clara contradição às narrativas anteriores do prefeito, assim, é um "atestado de incompetência" de Emanuel. 

"O prefeito Emanuel aceitar perante ao Tribunal de Contas devolver a gestão do HMC ao estado, admitindo que não tem condições de geri-lo, é assumir um atestado de incompetência, de falta de gerência com o recurso público".

O vereador também lembrou que foi ao Tribunal de Contas e entregou um documento mostrando o estado calamitoso do HMC.

"Nós tivemos no Tribunal de Contas pela segunda semana consecutiva. Conversamos com o conselheiro e presidente do TCE, Sérgio Ricardo, também com o conselheiro Guilherme Maluf, quando entregamos um documento e mostramos o estado real de calamidade pública no tocante ao HMC".

"E o que nos deixa ainda mais estarrecidos e revoltados com tudo isso é a situação que vem acontecendo no HMC. Um dos maiores hospitais públicos de Mato Grosso, há mais de seis meses sem pagar médicos da neurocirurgia, sem quitar os honorários da ortopedia já há mais de quatro meses, em uma unidade que tem 70% dos seus internador nesta área. Também a anestesiologia está sem receber para mais de três meses, empresas que fornecem insumos, medicamentos e próteses também já decretaram paralisação esta semana e só entregarão o básico", completou o vereador sobre a catástrofe que enfrenta o HMC.

Nesta última sexta-feira (12) a Câmara se reuniu com os responsáveis da Empresa Cuiabana de Saúde Pública, igualmente, responsável pela administração do HMC e outros hospitais em Cuiabá. A ideia era buscar respostas mais claras sobre esta situação porque quem está sofrendo, lá na ponta, é a população.

Segundo o vereador, a saúde pública na capital voltou a colapsar após o retorno da Pasta para as mãos do prefeito, com o fim dos trabalhos do Gabinete de Intervenção. "Desde que a saúde retornou às mãos do prefeito Emanuel, a calamidade novamente vem se instaurando".