Sábado, 20 de Julho de 2024

AGRO & ECONOMIA Sexta-feira, 21 de Julho de 2023, 09:03 - A | A

Sexta-feira, 21 de Julho de 2023, 09h:03 - A | A

Haddad cobra queda na Selic: 'Estamos pagando 10% de juros reais'

Economia

Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central, e ministro da Fazenda, Fernando Haddad, em audiência no Senado
Lula Marques/ Agência Brasil - 27/04/2023

Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central, e ministro da Fazenda, Fernando Haddad, em audiência no Senado

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, cobrou novamente a redução da taxa básica de juros (Selic) nesta quinta-feira (20), durante o anúncio de uma agenda de micro reformas para o setor financeiro, no Rio de Janeiro.

"Estamos pagando 10% de juros reais no Brasil", disse, em referência ao IPCA acumulado nos últimos 12 meses até junho, que é de 3,16%.

"Isso precisa ser endereçado em algum momento. Não é possível, o país não suporta mais", continuou.

O ministro afirmou ainda que o governo federal, o Congresso Nacional e a Justiça brasileira estão empenhados em destravar as pautas econômicas para retomar o crescimento de forma "sem precedente na história do Brasil."

"O Congresso e o Judiciário trabalharam muito para arrumar uma casa que foi totalmente bagunçada em 2022. Desde que eu acompanho economia, não lembro de um semestre tão produtivo dos dois poderes. Então, se espera um retorno desse esforço que foi feito, que haja uma reação compatível da autoridade monetária".

O ministro também disse que segue em busca de meios para aprovar a reforma do Imposto de Renda e do consumo sem onerar a população.

"As reformas tributárias sobre o consumo e sobre a renda não podem ter como objetivo o ajuste fiscal", disse Haddad ao ser questionado sobre o impacto das mudanças sobre as contas públicas. "O ajuste fiscal está sendo feito com base na eliminação dos penduricalhos do sistema tributário que afetam o sistema como um todo."

O governo federal, no arcabouço fiscal, define como meta orçamentária zerar o déficit público já em 2024, com isso, o Ministério d Fazenda busca alternativas de aumento na arrecadação.


Fonte: Economia